Slide 5

Santana do Paraíso recebe formação do Projeto Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar

4 de abril de 2014

IMG_2021

Com o objetivo de contribuir para a promoção do direito ao brincar na primeira infância por meio da qualificação dos profissionais que atuam na rede de educação infantil e no Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente (SGD), a Rede Marista de Solidariedade (RMS), por meio Centro Marista de Defesa da Infância (CEDIN), realizou a primeira formação do projeto Brincadiquê? Pelo Direito ao Brincar no município de Santana do Paraíso, em Minas Gerais. O projeto, que tem apoio do Instituto Camargo Correa (ICC), ainda prevê formações nos municípios de Apiaí (SP) e Itaóca (SP).

As atividades no município de Santana do Paraíso em Minas Gerais iniciaram com a realização de um diagnóstico das unidades educacionais locais. A ação foi desenvolvida tendo em vista a análise do currículo escolar para considerações no Plano Formativo do Projeto, o fortalecimento e reconhecimento das parcerias no município, a contribuição com a formação continuada do educador e o oferecimento de práticas pedagógicas de qualidade para os educandos.

De acordo com Sheila Pomilho, analista de Assessoramento do CEDIN e gestora do Brincadiquê?, o diagnóstico vai auxiliar na produção dos relatórios de memória do projeto, além de subsidiar os especialistas para a escuta dos educadores nos Seminários de Formação e as temáticas a serem trabalhadas. “Por meio de uma abordagem dinâmica, relacionada às experiências cotidianas, oferecemos um momento de contação de histórias, para conhecermos as crianças, os educadores e as escolas”, relata Sheila. Estes resultados oportunizaram o contanto com as culturas e manifestação infantis pelos educadores e gestores, além de contribuir com a visibilidade do projeto e para o reconhecimento dos esforços por parte das Instituições que apoiam e o desenvolvem.

Com a participação de educadores e profissionais que atuam na rede de educação infantil e atores do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente, esteve à frente desta primeira atividade a psicóloga e autora de diversos livros sobre o brincar na infância, Adriana Klysis. A especialista tratou de diversos temas pertinentes ao brincar, como o Direito ao Brincar, Jogos, Brinquedos e Brincadeiras, jogos simbólicos, direito ao Brincar e ministrando oficinas de construção de jogos, fantasias e bolhas de sabão.

Sheila Pomilho conta que diferentes resultados foram alcançados neste primeiro encontro. “Observamos educadores provocados por maior conhecimento sobre o Direito ao Brincar; construção de novas atividades pedagógicas para as práticas realizadas pelos educadores; conhecimento e acesso sobre leis e pesquisas na temática; além de acesso a materiais didáticos. Com uma presença significativa e participativa de gestores municipais e educadores, ao todo participaram 49 educadores de 8 unidades educacionais de Santana do Paraíso”.

A educadora Marilza Merenciana, do CEMEI Vó Margarida, afirma que a primeira formação foi muito relevante para a formação dos educadores. “Foram reflexões relevantes para a nossa prática, pois o brincar é um direito da criança. Observamos que não precisamos de materiais inusitados para realizar atividades significativas com e para as crianças”.

Nos dias 5, 6 e 7 de junho, a equipe do Brincadiquê? volta a Santana do Paraíso para a segunda formação, que será sobre o Brincar e as Culturas Infantis e o Espaçotempo para o Brincar, ministrado pela pedagoga Renata Costa. Ainda no mês de abril, nos dias 28 e 29, a equipe tem visita marcada aos municípios de Apiaí e Itaóca, no estado de São Paulo, para definir o calendário de atividades do ano.